A atuação da Enfermagem frente ao autismo

O autismo é um transtorno de desenvolvimento, manifestado tipicamente antes dos três anos de idade e caracterizado por um comprometimento de todo desenvolvimento psiconeurológico, afetando tanto a comunicação (fala e entendimento) quanto o convívio social. Há um comprometimento nas áreas de cognição, linguagem e no desenvolvimento motor e social (CARNIEL; SALDANHA; FENSTERSEIFER, 2010). Por isso é tão importante um cuidado especial da equipe de enfermagem para com essas pessoas.

A síndrome é quatro vezes mais comum no sexo masculino e embora não tenhamos dados estatísticos oficiais brasileiros, em projeções das pesquisas da década de 70 realizadas por Wing, estima-se quatro sujeitos com autismo para cada 10.000 nascimentos. A Associação Brasileira de Autismo calcula que existam em torno de 600.000 pessoas com autismo no Brasil (CARNIEL; SALDANHA; FENSTERSEIFER, 2010). Número considerável, não é mesmo?

Por se tratar de uma doença de múltiplas causas, há o envolvimento de várias áreas de conhecimento com um objetivo em comum em seus estudos, para que deixe de ser uma das síndromes mais desconcertantes e desafiadoras da atualidade. É importante que o diagnóstico seja precoce para que se iniciem ações de promoção à saúde que permitam um bom desenvolvimento da criança, e para isso, destaca-se o papel de uma equipe de saúde multidisciplinar que realize avaliações completas e esteja atenta a todos os tipos de reações desse paciente, uma vez que os sinais de autismo estão presentes desde muito cedo.

A descoberta do autismo se dá em torno dos dois primeiros anos de vida e aqueles com quociente de inteligência (QI) maior e capazes de falar, têm prognóstico mais favorável. Na vida adulta, os problemas de comunicação e socialização tendem a persistir, e apenas uma pequena parcela alcança independência. Até o momento, não se alcançou à cura para o autismo, o tratamento visa ajudá-los a alcançar independência para atividades diárias, como vestir-se e se higienizar (MONTEIRO et al, 2008). Existem ainda outras manifestações que caracterizam o autismo, tais como comportamentos ritualistas, crise de birra, auto-agressividade, alterações no sono e alimentação, ausência de noções de perigo, hipo ou hiperreações a estímulos sensoriais como luz ou sons, bem como apego a datas e itinerários e ainda demonstração de predileção por objetos rígidos e incomuns e geralmente apresentam medo e fobia inespecíficos. A criança com esta síndrome não estabelece contatos físicos, visuais ou auditivos e nem tão pouco afetivos. O isolamento social também é marcante nestes portadores, sendo assim não demonstram interesse em participação de jogos cooperativos e brincadeiras em grupo, no entanto, podem surgir momentos de interações afetivas, mas da mesma forma que elas surgem, elas desaparecem (MONTEIRO et al, 2008). 

Haja visto que qualquer gestação traz consigo inúmeras expectativas e o almejo de ter um filho saudável, é preciso que o profissional de saúde tenha conhecimento suficiente sobre essa doença que pode frustrar esses sonhos, fornecendo informações corretas e apoiando o enfrentamento da família frente a essa nova situação.

Em se tratando da relação enfermeiro e crianças autistas, este tem como principal papel ser um agente de socialização, enquanto que, junto à família, o enfermeiro tem um importante papel de educador (CARNIEL; SALDANHA; FENSTERSEIFER, 2010). É indiscutível a valorização do enfermeiro na avaliação inicial, diagnóstico das alterações, apoio à família, tratamento e acompanhamento da criança. Também se valoriza a integração da equipe em pesquisas e estudos sobre as causas da doença e busca de mais conhecimentos para embasar uma atuação prática consensual que vise uma intervenção realmente efetiva.


Agora que relembramos o que é o autismo e seus sintomas, você já se deparou com um paciente autista? O que você tem a acrescentar sobre a atuação do profissional de enfermagem frente a essa síndrome?


Texto redigido pela monitora do Programa Proficiência, Cláudia Maria Fernandes.


REFERÊNCIAS

CARNIEL, E. L.; SALDANHA, L. B.; FENSTERSEIFER, L. M. A atuação do enfermeiro frente à criança autista. Pediatria (São Paulo) 2010;32(4):255-60.

MONTEIRO, C. F. S. et al. Vivências maternas na realidade de ter um filho autista: uma compreensão pela enfermagem. Rev. bras. enferm. vol.61 no.3 Brasília May/June 2008.


Comentário

avatar MARCELO
0
 
 
PARABÉNS, FOI DE MUITA VALIA LER ESTE TRABALHO!!!
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
Verifique o Nome *
Informe o Email*
Verifique o Código*   
Chronocomments
Enviar Comentário

Atendimento Online


LiveZilla Live Help

Horário de Atendimento: Segunda a Sexta
Das 08h00 às 17h

Calendário de Enfermagem 2014


Enquete

Qual o seu maior interesse pelo Programa Proficiência?

Redes Sociais