Transtorno Obsessivo Compulsivo na infância: O que você sabe a respeito?

Olá colega, hoje vamos falar um pouco sobre o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), um distúrbio bastante comum na infância. Você conhece o TOC? Já atuou no atendimento a clientes com essa patologia? Acompanhe esse post e não se esqueça de deixar a sua contribuição frente a esse assunto!

O TOC é um transtorno de ansiedade com base neurobiológica, cuja condição cerebral altera o pensamento de crianças, adolescentes e adultos. Esse transtorno se caracteriza pela presença de obsessões e/ou compulsões, as quais interferem de forma significativa na vida diária desses pacientes, tornando-se desagradáveis e podendo causar sofrimento acentuado (CARDIOLI, 2008; CAMPOS, 2000).

O quadro clínico de TOC na infância e na adolescência é bastante semelhante ao quadro clínico de um adulto. No entanto, existem alguns sintomas que diferem um do outro, assim dá-se a importância da realização de estudos separados da doença (ARGIMON, 2004). Por vezes, as crianças conseguem esconder seus sintomas, pois temem punições ou ridicularização em casa ou na escola.

Geralmente a criança que é portadora desse transtorno apresenta alguns sintomas típicos que podem ser gestos e ações diárias repetitivas, como lavar as mãos; escovar os dentes; ler a mesma revista, jornal ou livro; checar compulsivamente o material escolar; contar azulejos, pisos e ladrilhos; verificar a simetria de objetos, entre outros.  Essas obsessões podem gerar sentimento de ansiedade e angustia para o portador e para os familiares.

No tratamento desse transtorno em crianças e adolescentes é imprescindível a participação dos pais. As intervenções psicoeducativas devem envolver também outros familiares ou professores, nas quais a função é informar ao paciente e aos familiares sobre a doença e as características clínicas, bem como as intervenções biológicas necessárias (ABP, 2011).

A criança diagnosticada com TOC deve ter uma assistência diária, porém, torna-se importante não diferenciá-la das outras crianças. Não se deve culpá-la pela doença ou pelas suas manias, e sim orientá-la sobre o que é correto fazer no seu dia a dia.


Texto escrito pelas monitoras: Natalia Josefina Bueno, Pabline Thais Silveira e Simone K. Lopes


Referências

ABP - Associação Brasileira de Psiquiatria. Transtorno Obsessivo compulsivo: Tratamento. 2011.

ARGIMON, I. I. de L.; BICCA, M. G. e R. .J.Transtorno obsessivo-compulsivo na adolescência. Rev. Bras. Ter. Cogn.,  v. 3, n. 1, p. 15-21. Porto Alegre, 2007. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbtc/v3n1/v3n1a02.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2013.

CORDIOLI, A V. A terapia cognitivo-comportamental no transtorno obsessivo-compulsivo. Rev. Bras. Psiquiatr., v. 30, suppl. 2, p. s65-s72. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462008000600003>. .Acesso em: 21 jan. 2013.

ROSARIO-CAMPOS, M. C. do; MERCADANTE, M. T. Transtorno obsessivo-compulsivo. Rev. Bras. Psiquiatr., v. 22, suppl. 2, p. 16-19. São Paulo, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbp/v22s2/3790.pdf> Acesso em: 10 jan. 2013.

Comentário

avatar lene
+2
 
 
hummm...mto boa mesmo...é preciso conhecer esses pequenos porém necessário detalhe para podermos saber como orientar os pais...obrigada...
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar simone crsitina
+1
 
 
Meu TCC foi baseado em TOC... mas nao infantil....englobou mas.... se alguem tiver interessse


Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar suenia
+1
 
 
Ótima a matéria... bem interessante, eu ainda não tive contato com nenhuma criança assim, mais se tiver, já sei como agir.
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar aurineide marinho santos
0
 
 
Bom saber!
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar Rita Souza
0
 
 
Miuto interessante o assunto, serve de alerta para os pais e familiares. Afinal atenção com os pequenos ainda é a melhor prevenção.
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar keilla bezerra
+1
 
 
Muito interessante este assunto, pois as vezes não percebemos que temos um caso na nossa família. E fica o alerta para nos pais........
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar Regiane S.E
+1
 
 
É importante saber que as manias são comuns a todos nós. Quem é que não possui uma mania?? Eu por exemplo tenho mania de acompanhar o ritmo de uma música rangendo um dente no outro... O problema é quando a mania torna-se ritualizada a ponto de interferir na rotina do ser humano causando-lhe sofrimento, no caso do TOC.
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar Regiane S.E
+1
 
 
E importante saber que as manias sao comuns a todos nos. Quem e que nao possui uma mania?? Eu por exemplo tenho mania de acompanhar o ritmo de uma musica rangendo um dente no outro... O problema e quando a mania torna-se ritualizada a ponto de interferir na rotina do ser humano causando-lhe sofrimento, no caso do TOC.
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar betania
0
 
 
É não é nada fácil. E quando a criança come tudo que não é comestível? como: papel, borracha, plático, lápis enfim tudo que le vem na mão.
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
avatar maria Joselma
+1
 
 
O indivíduo reconhece que as obsessões e compulsões são excessivas e irracionais( ego-distonia). Para que efetuemos o diagnóstico, outras patologias psiquiátricas precisam ser excluídas, como o uso de substâncias, uma condição médica geral, ou outros transtornos psiquiátricos que cursem com sintomas obsessivo-compu lsivos. Também precisamos diferenciar "traços obsessivo-compu lsivos", que são constituintes normais da personalidade adulta, de intensidade leve a moderada, sem gerar sofrimento subjetivo( ego-sintonia), pois dessa diferenciação vai depender a modalidade de tratamento.
Muitos pacientes obsessivo-compu lsivos vivenciam a diminuição significativa na capacidade funcional, incluindo perda do emprego, separação conjugal e dificuldades nos relacionamentos interpessoais.
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
Verifique o Nome *
Informe o Email*
Verifique o Código*   
Chronocomments
Enviar Comentário

Atendimento Online


LiveZilla Live Help

Horário de Atendimento: Segunda a Sexta
Das 08h00 às 17h

Calendário de Enfermagem 2014


Enquete

Qual o seu maior interesse pelo Programa Proficiência?

Redes Sociais