Notice: Trying to get property of non-object in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/plugins/content/ChronoComments.php on line 140

Notice: Trying to get property of non-object in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/plugins/content/ChronoComments.php on line 140

Notice: Trying to get property of non-object in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/plugins/content/ChronoComments.php on line 140

Blog

Choque distributivo: perigo silencioso e fatal em Unidades de Terapia Intensiva

Olá caro colega. Nesse blog trataremos sobre choque distributivo. Você sabe o que é? Você já atendeu um paciente em choque distributivo? Vamos então iniciar a leitura?

O choque distributivo é uma variação do choque circulatório e acomete, em especial pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI's), sendo um dos principais fatores contribuintes para as altas taxas de mortalidade hospitalar, mesmo com os avanços na compreensão da fisiopatologia do choque e da terapêutica aplicada (MARSON et al., 1998).

Essa alteração fisiológica é caracterizada por inadequação entre a demanda tecidual e a oferta de oxigênio ocasionada por uma alteração na correta distribuição de nutrientes através do fluxo sanguíneo. Assim, temos tecidos com fluxo sanguíneo elevado em relação à necessidade e outros com fluxo sanguíneo suficiente em termos numéricos, mas deficiente para atender às necessidades metabólicas do organismo (SIQUEIRA, SCHMIDT, 2003).

Uma das causas desencadeadoras pode advir de fatores neurológicos, como trauma raquimedular, uso de drogas vasodilatadoras, anafilaxia e doenças endócrinas. A vasodilatação ocasiona diminuição da resistência vascular periférica (RVP), que por sua vez ocasiona uma diminuição do retorno venoso e do débito cardíaco. Como mecanismo de compensação para esse estado hemodinâmico, ocorre aumento da contratilidade e da frequência cardíaca (MARSON et al., 1998).

Segundo Neto (2011) a fisiologia cardíaca normal é composta por três fatores principais:

Pré-carga

Volume ventricular no final da diástole. A elevação da pré-carga leva ao aumento do volume de ejeção. A pré-carga depende principalmente do retorno do sangue venoso corporal. Por sua vez, o retorno venoso é influenciado por alterações da postura, pressão intratorácica, volume sanguíneo e do equilíbrio entre a constrição e dilatação (tônus) no sistema venoso.

Pós-carga

Resistência à ejeção (propulsão) ventricular ocasionada pela resistência ao fluxo sanguíneo na saída do ventrículo. Ela é determinada principalmente pela resistência vascular sistêmica.

Contratilidade

Representa a capacidade de contração do miocárdio na ausência de quaisquer alterações na pré-carga ou pós-carga. Em outras palavras, é a “potência” do músculo cardíaco.

Em casos de choque distributivo, há alteração de um ou mais fatores. Veja abaixo uma estrutura que faz menção ao sistema cardiovascular:


 

Figura 1 – Sistema cardiovascular

Fonte: NETO, 2011.

O equilíbrio entre os três mecanismos fisiológicos do coração proporcionam ao organismo a regulação da circulação sistêmica, mantendo em níveis adequados o suprimento sanguíneo para órgãos e tecidos do corpo.

As veias promovem o retorno do sangue, a partir dos leitos capilares, até o coração e contém cerca de 70% do volume sanguíneo circulante, contrastando com os 15% representados pelo sistema arterial (NETO, 2011). Portanto, a diminuição da resistência vascular sistêmica (RVS) influenciará negativamente na resistência vascular periférica (RVP) fazendo com que as veias sofram vasodilatação exacerbada reduzindo assim, o retorno venoso e consequentemente alterando significativamente o débito cardíaco (DC).

O diagnóstico do tipo de choque circulatório pode ser baseado na determinação de variáveis hemodinâmicas através da monitorização hemodinâmica invasiva, com o uso do cateter de Swan-Ganz (SIQUEIRA, SCHMIDT, 2003).

 

Fonte: Adaptado de Siqueira BG & Schmidt, 2003.

O papel do enfermeiro na promoção constante de educação continuada à equipe de enfermagem é essencial para se trabalhar adequadamente com a manutenção e o controle hemodinâmico do paciente, proporcionando ao profissional maior segurança na identificação de alterações que o paciente pode apresentar à beira do leito hospitalar.

Profissional, este distúrbio hemodinâmico pode ser muito perigoso e colocar à vida do paciente em risco.  O diagnóstico precoce é determinante na sobrevida do enfermo e na redução das taxas de mortalidades em UTI's. Trabalhemos em conjunto para minimizar esses riscos!


Texto escrito pelo Monitor do Programa Proficiência Júlio Eduvirgem


REFERÊNCIAS

 MARSON F. et al. A Síndrome do Choque Circulatório. Simpósio: Medicina Intensiva: I Infecção e Choque. p. 369-379, jul.- set.. Ribeirão Preto, 1998. Disponível em: <http://www.fmrp.usp.br/revista/1998/vol31n3/a_sindrome_choque_circulatorio.pdf>. Acesso em: 06 nov. 2012

NETO, Á R. Fisiologia Cardiovascular. LIGAMI. p. 38. Disponível em: <http://www.cepeti.com.br/bibliografia_LIGAMI2011.pdf>. Acesso em: 06 nov. 2012

SIQUEIRA, B. G., SCHMIDT. Choque Circulatório: definição, classificação, diagnóstico e tratamento. Simpósio: Urgências e Emergências Cardiológicas. p. 145-150, abr.- dez.. Ribeirão Preto, 2003 Disponível em: <http://www.fmrp.usp.br/revista/2003/36n2e4/1_choque_circulatorio.pdf>. Acesso em: 06 nov. 2012.


Ler 3 Comentários... >>


Atuação da enfermagem frente ao procedimento de cateterismo umbilical

Nessa nova postagem do Blog do Proficiência vamos discutir sobre o cateterismo umbilical em recém-natos, procedimento que é realizado para obtenção de acesso central venoso ou arterial, através do coto umbilical.

Vamos conhecer mais sobre esse assunto?

Clique aqui para ler mais



Ler 0 Comentários... >>

Atuação da enfermagem frente ao procedimento de cateterismo umbilical

Olá caro colega. Nesse blog vamos discutir sobre o cateterismo umbilical em recém-natos, procedimento que é realizado para obtenção de acesso central venoso ou arterial, através do coto umbilical.

Em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, o cateterismo umbilical é um procedimento comum e essencial no cuidado ao recém-nascido pré-termo, principalmente naqueles que necessitam de infusão contínua e possuem dificuldade para punção de acesso vascular. Além disso, contribui para a estabilização e manutenção de nutrição adequada (COREN, 2011).

Trata-se de um procedimento invasivo que possui diversas finalidades, tais como: infusão de líquidos, monitorização de pressão arterial invasiva, gasometria arterial, intervenção cardíaca, infusão de drogas e trocas sanguíneas (COREN, 2011; BRASIL, 2011). É importante lembrar que o cateterismo umbilical constitui uma escolha em casos emergenciais, não devendo ser escolhido para acesso de rotina, por decorrência das complicações da utilização dessa via. 

Você sabia que no ano de 2011 foi legalizada a realização de cateterismo umbilical como prática privativa do Enfermeiro? Para conhecer mais sobre essa legislação você pode ler a Resolução COFEN n. 388/2011 e também o Parecer COFEN. n. 9/2011. Essas afirmam que a ação de alta complexidade deve ser realizada pelo Enfermeiro, o qual deve estar capacitado para desenvolver tal técnica (COFEN, 2011).

É importante ressaltar que em decorrência da sensibilidade da pele antes do procedimento em prematuros extremos, a antissepsia deve ser feita com solução aquosa de Clorexidina, ou a aplicação de água destilada após o uso da Clorexina alcóolica. Pois, isso reduz os riscos de queimaduras químicas (BRASIL, 2011). 

Segundo a Anvisa - Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (2010), após realizada a sutura do cateter no coto umbilical, a fixação deve ser realizada por meio da técnica da "ponte", de acordo com a figura abaixo:

Figura 1 – Fixação do cateterismo umbilical.

Fonte: ANVISA, 2010.


Conforme vimos anteriormente, esse procedimento deve ser realizado criteriosamente, em caso de extrema necessidade.

Os cateteres umbilicais arteriais devem ser mantidos por no máximo cinco dias e os venosos podem permanecer por até quatorze dias (BRASIL, 2010).

Isto se dá pelo risco de complicações possíveis do procedimento, as quais podem estar relacionadas ao posicionamento do cateter, como alteração na perfusão dos membros inferiores, acidentes vasculares decorrentes de tromboembolismo, vasoespasmo, hipertensão arterial, decorrentes de acidentes com o cateter, como a quebra ou desconexão acidental, e complicações relacionados às infecções (COREN, 2011; BRASIL, 2010). 

Você percebeu como o cateterismo umbilical deve ter atenção especial da equipe de enfermagem? Sendo assim, verifique as ações da equipe de enfermagem que são relevantes para manutenção e cuidado a esse procedimento: 

• Verificar rigorosamente a perfusão, pulso e temperatura de membros inferiores; 

• Manter o cateter e a torneirinha livre de sangue evitando a formação de coágulos e proliferação de microrganismos. Caso haja um coágulo o mesmo deve ser retirado por aspiração e nunca injetando o líquido;

• Registrar todas as infusões ou retirada de líquido do cateter; 

• Realizar o manuseio das conexões com técnicas assépticas, promovendo a desinfecção com gaze e álcool etílico, sempre utilizando luvas;

• Não infundir hemocomponentes e drogas vasoativas no cateter arterial (UNIFESP, 2011).

Dessa forma, caro colega, destacamos o quão importante é sua atuação de forma consciente e cuidadosa frente a esse procedimento que é tão delicado. Você já cuidou de um recém-nascido com cateterismo umbilical? Conhece alguma situação ou complicação desse procedimento? Compartilhe conosco suas experiências e opiniões.


Texto escrito pelos monitores do Programa Proficiência: Diego Nardoto, Elisa de Fátima Borella e Vanessa Evelyn de Mello.


Referências 

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Pareceres COFEN: n. 9/2011/COFEN/CTNL. Possibilidade do enfermeiro realizar cateterismo umbilical em recém-nascido. Brasília, 2011. Disponível em: <http://coren-df.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1215:no-0092011cofenctnl-possibilidade-do-enfermeiro-realizar-cateterismo-umbilical-em-recem-nascido&catid=80:pareceres-cofen&Itemid=73>. Acesso em: 22 nov. 2012.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução Nº 388/2011. Normatiza a execução, pelo enfermeiro, do acesso venoso, via cateterismo umbilical. Brasília, 2011. Disponível em: <http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-n-3882011_8021.html>. Acesso em 22 nov. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde.. Brasília, 2011. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_recem_nascido_%20guia_profissionais_saude_v2.pdf>. Acesso em: 22 nov. 2012.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária- ANVISA. Orientações para Prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea. 2010. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/ef02c3004a04c83ca0fda9aa19e2217c/manual+Final+preven%C3%A7%C3%A3o+de+infec%C3%A7%C3%A3o+da+corrente.pdf?MOD=AJPERES>. Acesso em: 22 nov. 2012.

UNIFESP. Universidade Federal de São Paulo. Intervenções de enfermagem no procedimento de cateterismo umbilical. São Paulo, 2011. Disponível em: <http://www.unifesp.br/hsp/testealfa/arquivos/hsp/assist/espec/pediatria/intervencoes%20de%20enf%20proc%20de%20cat%20umb.pdf>. Acesso em: 22 nov. 2012.


Ler 14 Comentários... >>

Seja o herói de alguém: doe sangue e medula óssea

A doação de sangue e de medula óssea, apesar de serem temas muito divulgados atualmente, ainda trazem muitas dúvidas e receios. E você colega, conhece o processo de doação? É doador? Trabalha em um banco de sangue ou faz parte de um comitê transfusional? Após a leitura deste blog, conte-nos sobre sua experiência nesse âmbito!

Vamos conhecer mais sobre esse assunto?

Clique aqui para ler mais


Ler 0 Comentários... >>

A doação de sangue e de medula óssea, apesar de serem temas muito divulgados atualmente, ainda trazem muitas dúvidas e receios. E você colega, conhece o processo de doação? É doador? Trabalha em um banco de sangue ou faz parte de um comitê transfusional? Após a leitura deste blog, conte-nos sobre sua experiência nesse âmbito!

O sangue é o tecido vivo que leva nutrientes e oxigênio para todos os órgãos e tecidos do corpo. Ele se subdivide em: glóbulos vermelhos (hemácias), glóbulos brancos (leucócitos) e plaquetas. A produção de sangue, processo este denominado hematopoese, ocorre na medula óssea de ossos chatos, como por exemplo, as vertebras, o quadril e o esterno.

Quando a produção de componentes sanguíneos não é suficiente, ou é realizada de forma inadequada, temos problemas como anemias e leucemias. Já quando ocorrem grandes sangramentos ou distúrbios de coagulação, ou ainda quando os indivíduos sofrem grandes queimaduras ou em casos de hemofilia, estes indivíduos necessitam de reposição sanguínea, utilizando sangue de doadores. (FUNDAÇÃO PRÓ SANGUE, 2012).

Segundo a Secretaria de Saúde do Estado do Paraná, existem alguns requisitos básicos para que um indivíduo possa ser um doador de sangue, todos de acordo com normas da saúde, a fim que este não seja exposto a riscos, bem como para que o futuro receptor esteja assegurado quanto à transmissibilidade de doenças.

Vamos ver quais são esses requisitos?

Estar em boas condições de saúde;

Ter entre 16 e 67 anos (menores de 18 anos, somente com autorização de responsável);

Pesar no mínimo 50 kg;

Estar descansado (ter dormido pelo menos seis horas nas últimas 24 horas);

Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas quatro horas que antecedem a doação);

Existem casos em que a doação é impedida, os quais podem ser temporários ou definitivos como demonstra o quadro a seguir:

Quadro 1 – Casos em que a doação de sangue é impedida. 


Interessante essas informações, não é mesmo?! Vamos então conhecer as etapas de um processo de doação?

1ª etapa: identificação

Nessa etapa, é obrigatória a apresentação de um documento oficial com foto, onde será realizado o cadastro do doador.

2ª etapa: pré-triagem

Ocorre a verificação de peso, altura, pulso, pressão arterial e temperatura, além da realização de um teste rápido para a verificação de presença ou não de anemia.

3ª etapa: triagem clínica

Nessa etapa, o possível doador é submetido a uma anamnese.

4ª etapa: Doação

O sangue será coletado, com material estéril e descartável, por profissionais capacitados. A doação é segura e, os riscos para o doador são mínimos.

5ª etapa: Lanche

Após a doação, é oferecido a todos os doadores um lanche, visto que não é aconselhável sair do local da doação sem alimentar-se (HEMOBANCO, 2012).

É importante lembrarmos que essas etapas podem variar em sua ordem e em sua dinâmica de um banco de sangue para outro! 

Agora que você já sabe como é o processo de doação, observe a seguir os cuidados a serem tomados após a doação.

Permanecer no banco de sangue por mais 15 minutos;

Manter o curativo por pelo menos quatro horas;

Não ingerir bebidas alcoólicas ou fumar nas primeiras horas;

Evitar esforço físico exagerado por 12 horas, especialmente com o braço utilizado para doação;

Ingerir líquido.

Doação de medula óssea

Para ser um doador de medula óssea, é necessário ter entre 18 e 55 anos de idade e estar em bom estado geral de saúde (não ter doença infecciosa ou incapacitante). É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos Hemocentros de todos os estados. 

E como ocorre essa doação?

A doação consiste em uma coleta sanguínea em pequena quantidade (5 ml) e o preenchimento de uma ficha com informações pessoais. 

Após a coleta, o sangue será tipificado por exame de histocompatibilidade (HLA), para identificar as características genéticas. Os dados serão cruzados com os dos pacientes que precisam de transplante de medula óssea.

Se a compatibilidade for confirmada, o doador é consultado para confirmar se deseja realizar a doação. Após a confirmação, o atual estado de saúde do doador será avaliado e outros exames de sangue serão realizados. 

Após a confirmação de compatibilidade, como é realizada a doação de medula óssea?

A doação de medula óssea é um procedimento que se faz em centro cirúrgico, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação por um período mínimo de 24 horas. 

Nos primeiros três dias após a doação pode haver desconforto localizado, de nível leve a moderado, que pode ser amenizado com o uso de analgésicos. Normalmente, os doadores retornam às suas atividades habituais depois da primeira semana (INCA, 2012).


Figura 1 – Campanha do Ministério da Saúde.

Fonte: BRASIL (2012).

No dia 25 de novembro comemora-se o Dia Nacional do Doador de Sangue e essa data faz parte da estratégia governamental de incentivar a população a praticar este ato de solidariedade. Aproveite essa comemoração e doe sangue você também! Clique na imagem acima e participe da Campanha do Ministério da Saúde no Facebook.


Texto produzido pelas monitoras do Programa Proficiência: Anne Caroline Guenca, Ana Cláudia Jordão e Dayane Schier


Referências

INCA - Instituto Nacional do Câncer. Informações sobre a doação de medula óssea. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=64> Acesso em: 25 out. 2012.

FUNDAÇÃO PRÓ- SANGUE. Requisitos básicos e impedimentos para ação.  São Paulo. 2012. Disponível em: <http://www.prosangue.sp.gov.br/artigos/requisitos_basicos_para_doacao>. Acesso em: 24 out. 2012.

HEMOBANCO. Doação de sangue. 2012. Disponível em: <http://www.hemobanco.com.br/frames.htm>. Acesso em: 24 out. 2012.

SESA - Secretaria do Estado da Saúde do Paraná. Como ser um doador de sangue. Paraná. Disponível em: <http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=184>. Acesso em: 24 out 2012.


Ler 3 Comentários... >>

Warning: Division by zero in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/com_content/category/blog.php on line 58

Página 7 de 18


Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 92

Warning: Illegal string offset 'active' in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/templates/rt_crystalline_j15/html/pagination.php on line 98
7

Arquivo


Warning: Creating default object from empty value in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/modules/mod_latestnews/helper.php on line 109

Warning: Creating default object from empty value in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/modules/mod_latestnews/helper.php on line 109

Warning: Creating default object from empty value in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/modules/mod_latestnews/helper.php on line 109

Warning: Creating default object from empty value in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/modules/mod_latestnews/helper.php on line 109

Warning: Creating default object from empty value in /var/www/html/proficiencia_cofen_gov_br/site/modules/mod_latestnews/helper.php on line 109

Enquete

Como você ficou sabendo do Programa Proficiência?